domingo, 22 de novembro de 2015

Viva da Costa



MARINA TAVARES DIAS

Excerto do capítulo "Vendedores e Pregões"

«Pela manhã dentro, os vendedores de fruta, hortaliça, leite e doces chegavam dos arredores saloios. Cabaz à cabeça ou burro pela arreata, eram esperados em todos os bairros. Muitos pregões necessitariam de tradução, se não fossem já bem conhecidos dos lisboetas: "Tamari-dôôôô!"; "A vinte-cincô-salami!"; "Éééé-chega-lá-vaquííínha-chega!".

[...]



Os forasteiros espantavam-se com o hermetismo de algumas destas mensagens publicitárias, e com o facto de em Lisboa tudo se mercar à porta de cada um, como se não houvesse locais para tal destinados.[.../...]»







domingo, 25 de outubro de 2015

Alvalade




Excerto de:

LISBOA NOS ANOS 40
de
MARINA TAVARES DIAS


O plano de urbanização do Sítio de Alvalade, futuro bairro do mesmo nome, compreendia a área trapesoidal de cerca de 230 hectares limitada a norte pela Avenida do Brasil (denominada Alferes Malheiro na década de 40), a nascente pela futura Avenida do Aeroporto, a sul pelos terrenos confinantes com a Avenida Almirante Reis e a poente pelo Campo Grande e pela antiga Estrada de Entrecampos. O novo bairro, planeado no final da década de 30 e inaugurado na segunda metade da de 40, pretendia-se estampa ideal da nova cidade. O projecto é do primeiro urbanista português diplomado em Paris: Faria da Costa.

sábado, 8 de agosto de 2015

O POSTAL DA VARININHA

MARINA TAVARES DIAS
em

 OS MELHORES POSTAIS ANTIGOS DE LISBOA

«Fosse ou não pela notoriedade da sua imagem quase logotipo, orgulhavam-se do mester de vender. Desde pequenas, consideravam-no vocação. Seria o caso desta minúscula varininha fotografada por Paulo Guedes? Há quem a considere apenas mascarada, num qualquer carnaval por volta de 1900. Seja como for, é o mais celebrado postal da melhor série sobre costumes de Lisboa (Lisboa na Rua), o que equivale a dizer um dos melhores postais portugueses. Numa análise mais minuciosa (a partir do negativo original), nota-se indumentária idêntica - incluindo tecido utilizado - à da figura da esquerda. Provavelmente, o mesmo sangue nas veias, o mesmo sangue na guelra. O que quer dizer não se tratar de máscara, mas de encaminhamento. Dada a exiguidade da canastrinha, é de crer, contudo, que ainda não pregoasse...»

Raríssimo e muito valioso, este é um dos exemplares escolhidos pela escritora Marina Tavares Dias como fazendo parte das melhores edições cartófilas de sempre, no livro de 1995 «Os Melhores Postais Antigos de Lisboa»




segunda-feira, 22 de junho de 2015

OS ALMANJARRAS





MARINA TAVARES DIAS
em
HISTÓRIA DO ELÉCTRICO DA CARRIS
(EDIÇÃO OFICIAL DO CENTENÁRIO):

«Também em 1902, vêm dos Estados Unidos os primeiros carros abertos com 12 bancos transversais. Ao lisboeta, pareceram tão grandes que metiam medo, afigurando-se-lhe mesmo incapazes de desfazer as curvas das ruas da cidade. Adquiriram logo a alcunha condizente de «almanjarras». O jornal Novidades traduziu assim o sentimento que a sua chegada provocou: 'É uma aventesma formidável. Se abalroar com alguma coisa, acaba-se a coisa e acaba-se o mundo. Fica todo num figo.' 

Os primeiros 10 «almanjarras» aportaram a Lisboa em Janeiro de 1902. Fabricados em Filadélfia pela J. G. Brill, possuíam motores General Electric, ‘bogies’ de tracção máxima (tipo 22E) e dois ‘trolleys’. Mediam 11,33 metros, pesando 11.380 quilos. No dia 10 de Março vieram mais 30, a bordo do vapor Friede, em 477 contentores. Receberam números entre o 283 e o 322. O primeiro da série está hoje no Museu da Carris.  [...] »

(continua no livro)
Na imagem: Prova fotográfica original, a partir do negativo de sua autoria, impressa por Mestre Horácio Novaes na década de 1940.

sexta-feira, 5 de junho de 2015

A LISBOA DE EÇA DE QUEIROZ


de MARINA TAVARES DIAS





EXCERTO DA CRONOLOGIA FINAL:


1866/67 - Eça de Queiroz estreia-se como escritor com a

publicação na Gazeta de Portugal de textos que, após a

sua morte, viriam a ser parcialmente compilados no

volume Prosas Bárbaras (1903). Em edições posteriores,

incluíram-se textos que não tinham sido seleccionados

para a primeira edição. De Janeiro a Outubro de 1867,

Eça esteve quase exclusivamente ocupado com a

redacção do jornal Distrito de Évora. Aqui publicou

algumas narrativas, tais como O Réu Tadeu e Farsas.



quinta-feira, 21 de maio de 2015

O CONVENTO DA ESPERANÇA

MARINA TAVARES DIAS
em
LISBOA DESAPARECIDA
volume IV

[...] Após extinção das ordens religiosas, em 1834, o Convento da Esperança continuou activo. Por morte da última freira - Soror Joaquina Cândida de Jesus -, em 1881, decidiu a Direcção Geral dos Próprios Nacionais que se procedesse a inventário do convento (avaliado em 45 contos de réis) e casas anexas, agora pertença do Estado. Em Novembro, celebrou-se um contrato entre o Governo e a Câmara, determinando demolição parcial e abertura, no mesmo sítio, de uma nova avenida [hoje Avenida D.Carlos].

Quadros e outras obras de arte seriam entregues ao Museu Nacional de Arte Antiga, enquanto a livraria transitou, praticamente intacta, para a Biblioteca Nacional. O livro da fundação do convento ainda ali se encontra, na secção de Reservados. Muitos dos painéis de azulejo acabaram por ser repostos no quartel de bombeiros que hoje ocupa parte da área do mosteiro. Quanto ao orgão, foi doado à Igreja de Santos-o-Velho.

(continua no livro)





domingo, 17 de maio de 2015

O LEGADO VALMOR

Instituído em 1898 por disposição testamentária do visconde de Valmor, o prémio de arquitectura mais prestigiado de Lisboa ficou com o nome do benemérito e constitui, desde 1902, um capítulo importante na história da cidade. Quinze folhas de papel selado escritas de ambos os lados perpetuam um legado que, em grande parte graças ao município, continua a motivar obras importantes: qualquer arquitecto com um "valmor" no curriculum vê a sua obra passada e futura valorizada. O prémio nunca perdeu prestígio, mesmo após a desactualização do seu inicial montante pecuniário (a dividir entre proprietário e autor do projecto), correspondente ao que era, na época, o rendimento do legado.

[.../...]

Uma cláusula aparentemente simples fornece pormenores sobre quais os edifícios que disputariam o galardão: "Deixo mais cinquenta contos (cinquenta contos de réis) à cidade de Lisboa a fim de [que] esta quantia forme um fundo cujos rendimentos anuais constituam um prémio que será anualmente dado em duas partes iguais ao proprietário e ao arquitecto do mais belo prédio ou casa edificados em Lisboa, com a condição porém de que essa casa nova, ou restauração de edifício velho, tenha um estilo arquitectónico clássico, grego ou romano, romão gótico, ou da renascença ou algum tipo artístico português, enfim um estilo digno de uma cidade civilizada. No caso de algum ou alguns anos se não edificar casa nenhuma nas condições de merecer o prémio, o rendimento junta-se ao capital, a fim de com o fundo aumentado e acumulado se poderem instituir maiores prémios ou maior número deles". Esta síntese das condições necessárias para atribuição do "Valmor" iria perder significado, ao longo das décadas de atribuição do prémio. [...]

(continua no livro)

O palacete da viscondessa de Valmor
 recebeu o galardão de 1908

quinta-feira, 7 de maio de 2015

De Cine Bélgica a Rock Rendez-Vous

Marina Tavares Dias 
em Lisboa Desaparecida 
volume VII:
«O Cine Bélgica, servindo o bairro do mesmo nome e toda a zona do Rego, abriu as portas a 25 de Julho de 1928, no número 175 da Rua da Beneficência. Fora projectado pelo construtor civil Domingos Pinto e construído no local de um antigo barracão de arrumações. Conhecido por Bélgica-Cine a partir de 1931, viria a ser adaptado ao cinema sonoro em 1933, através da instalação de uma aparelhagem R.C.A. Durou várias décadas, conhecendo um verdadeiro segundo apogeu a partir de 1968, como Cinema Universitário, com programação criteriosa, digna de um cineclube. Nos anos 70 foi ainda Cinema Universal, explorado pela distribuidora Animatógrafo, antes de encerrar para obras de vulto que o transformariam em novo ponto de encontro dos lisboetas mais jovens: o Rock Rendez-Vous. Foi nas célebres noites do Rendez-Vous que, ao longo da primeira metade dos anos 80, se estrearam várias futuras celebridades do rock português.» 

(continua no livro)



sábado, 25 de abril de 2015

A COSTA DE CAPARICA

LISBOA DESAPARECIDA
de 
MARINA TAVARES DIAS

(EXCERTO do capítulo «A Outra Banda»)

« [...] Ao longo de todo o século XIX, a Costa de Caparica é quase exclusivamente um extenso areal, pontilhado por casinhotos de madeira onde se abrigam as famílias dos pescadores. Vai-se à Costa provar a caldeirada ou, mais esporadicamente, visitar o vizinho Convento dos Capuchos, de cujas alturas se avista, plana e interminável, a linha sinuosa da orla atlântica.
Essas primeiras cabanas montadas nos areais deverão datar do último quartel de seiscentos, quando algumas famílias algarvias ou ílhavas ali se fixam provisoriamente, nos meses de Verão, para se dedicarem à pesca.

Documentos reunidos por um mestre das artes de pesca (Francisco José da Silva) apontam o ano de 1770 como data das primeiras residências fixas, em barracas certamente maiores, de vários “mestres” com as suas companhas. José Gonçalves Bexiga (algarvio), Joaquim Pedro (de Ílhavo), Romualdo dos Santos (algarvio) e José Rapaz (de Ílhavo): foram eles os primeiros residentes da Costa de Caparica. A primeira construção relativamente elaborada terá sido a igreja local, praticamente no mesmo sítio onde a vemos hoje, inicialmente revestida apenas de colmo e de junco.»


(continua)



aguarela de Roque Gameiro. 
Postal ilustrado. 
Arquivo Marina Tavares Dias

domingo, 19 de abril de 2015

Destino: Exposição

MARINA TAVARES DIAS 
(excerto de crónica, 2010):

«Na sua área de 560 mil metros quadrados, a Exposição do Mundo Português receberá três milhões de visitantes, de 23 de Junho a 2 de Dezembro de 1940. Entre eles estarão alguns estrangeiros privilegiados – como o escritor Antoine de Saint-Exupéry – que podem viajar pela Europa em guerra, assim como quase todos os intelectuais portugueses que se opõem ao regime. Jaime Cortesão é visto às compras nos "stands" de artesanato, sempre seguido por um agente da PIDE.»

Primeiros autocarros lisboetas, utilizados como teste para transporte de passageiros, do Rossio para Belém. Destino: Exposição.»



quarta-feira, 15 de abril de 2015

O CHIADO DE MESTRE HORÁCIO NOVAES




As fotografias do Chiado de Mestre Horácio Novaes aparecem cheias de gente porque são tiradas para a reportagem da visita às quatro (havia uma quinta na Rua Nova do Almada) igrejas do Chiado, na Páscoa.

As identificações e datas (esta é de 1943) apontadas por MARINA TAVARES DIAS nos dossiers dos estúdios de Horácio Novaes desapareceram após a morte do seu assistente, António Lanceiro, com a venda ou cedência dos negativos a uma instituição que preservou apenas os negativos.


Apenas mais duas 
de tantas possíveis insistências:



Esta série fotográfica não representa um cortejo das celebrações dos centenários no âmbito da Exposição do Mundo Português de 1940. Trata-se da encenação de Leitão de Barros conhecida por Cortejo Histórico, celebrando a reconquista de Lisboa. A data é 1947.






As imagens com os principais grandes cinemas da Lisboa da
década de 1950 não se destinavam a reportagem
sobre os mesmos. Foi uma encomenda da firma Phillips,
que fornecia a iluminação de interiores e de fachadas


quinta-feira, 9 de abril de 2015

QUIOSQUE PORTÁTIL





Os quiosques dos bairros populares, cujas ruas eram estreitas e muitas vezes íngremes, adaptaram-se ao meio através do modo e materiais de fabrico. Quase sempre confeccionados em madeira, eram portáteis e mudavam de local seguindo romarias e outros aglomerados humanos. Aqui fica a revelação. O desenvolvimento ficará no livro. Lisboa Desaparecida, de Marina Tavares Dias, volume X (ainda inédito).


domingo, 15 de março de 2015

A QUINTA DA RABICHA



MARINA TAVARES DIAS
em
LISBOA DESAPARECIDAcapítulo sobre Campolide:


«A Quinta da Rabicha foi refúgio de ânimos e cenário de patuscadas de boa memória. Júlio Cezar Machado narra um desses festins na segunda parte dos "Apontamentos de um Folhetinista". Numa arejada manhã de 1860, assim raiava o sol, seguiu para a Rabicha o grupo de peso: Ramalho Ortigão, Antero de Quental, Jaime Batalha Reis, Alberto de Queiroz, João Burnay, Oliveira Martins e o próprio Machadinho. Iam "compor uma caldeirada em seis cantos"; um por cada talher (apenas João Burnay tinha mandado vir - de padiola - um rosbife).»





(continua no livro)
Iconografia: 
Ribeira de Alcântara
 no vale de Campolide,
fotografia de Paulo Guedes, c. 1904.

quarta-feira, 11 de março de 2015

O Burnay 'do Pataco'

MARINA TAVARES DIAS
excerto de 
LISBOA DESAPARECIDA
capítulo
FIGURAS E TIPOS DAS RUAS
volume I

O Burnay do Pataco, oriundo de família abastada, era pobre mas inconformado. Sentava-se à mesa da Brasileira do Chiado, na década de 1920, e mandava vir almoço, alegando que quem pagaria a conta seria «aquele meu amigo, no grupo ali ao fundo». No início, deu resultado. Mais tarde, dirigia-se directamente ao visado, perguntando se podia sentar-se-lhe à mesa.



Pormenor de desenho 
de Stuart Carvalhaes 
representando o Burnay 'do Pataco'


quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

OS GRANDES FUTEBOLISTAS DAS DÉCADAS DE 1920 E DE 1930






VER em:
HISTÓRIA DO FUTEBOL EM LISBOA
de 
MARINA TAVARES DIAS
Equipa-sensação de futebol , nos Jogos Olímpicos de 1928. Lisboa inteira na rua para os receber na Câmara Municipal. Lá em cima, o maior avançado português antes de Peyroteo e Eusébio: Pepe, do Belenenses, então no pico da popularidade. 'Sic transit...'


Bordallo na Mónaco do Rossio





Desenho de Raphael Bordallo Pinheiro para painel de azulejos decorativos da famosa e ainda existente TABACARIA MÓNACO, no Rossio. «A Leitura de O Século» é a desiganção da obra.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

ROSSIO / ROCIO






O Rossio anterior a 1755, vendo-se à direita o Hospital-de-Todos-os-Santos e à esquerda alta as chamadas Portas de Santo Antão, saída da cidade pela corredoura principal.

Referências ancestrais às Portas de Santo Antão são raras e pouco precisas. O único mapa importante da cidade no século XVII deixa-as de fora, por serem quase suburbanas. No entanto, figuram na célebre estampa de Bráunio (ver “Lisboa Desaparecida”, volumes I e V) e em algumas citações de cronistas antigos. Entre eles [...] Fernão Lopes [...]. Às suas descrições vão beber quase todas as obras sobre a cidade escritas e/ou editadas nos séculos XVI, XVII e XVIII.


Como complemento destas narrativas, quase sempre omissas, conta o investigador contemporâneo apenas com a escassa iconografia anterior ao terramoto. Mesmo nas várias edições da gravura de Bráunio aparecem muitas vezes trocados ou deslocados os postigos e portas da cerca, o que não constituirá surpresa após observação atenta da perspectiva escolhida (um ponto imaginário algures acima das águas do Tejo), fantasista para dizer o mínimo, e provavelmente elaborada a partir de uma carta topográfica da cidade.

(texto de Marina Tavares Dias.
Ilustração: postal fotográfico de Bárcia
sobre pormenor da gravura de Bráunio - Arquivo MTD)